Lições contra o abismo

A expressão de Corção compensa a má qualidade da foto, porque é esse o Corção que “vemos” em seus artigos e livros.

Hoje Gustavo Corção faria 122 anos.

Não é uma data redonda, dessas que os jornais costumam comemorar, mas, para nós da Permanência, todo aniversário de Corção é motivo de festa. Porque sem ele não existiríamos. E, por conta de existirmos, vivo ele está, a despeito do esforço que o mundo faz para esquecê-lo.

Perde o mundo que o esquece. E Corção, que já dele não depende, permanece.

Faz parte da história do Brasil – na literatura, na política, na religião. E foi fazendo história que terá ganhado a Eternidade. Mas isso só Deus sabe. Inegável que fez a sua parte, sobretudo nos deixando suas lições, lições contra o abismo que ele antes de todos antevira.

Há muito o que contar de Corção. Fiquemos só com uma história, monumental e discreta, simbólica e premonitória.

A inauguração do Cristo Redentor foi marcada para 12 de outubro de 1931. Para dar um toque de grandiosidade internacional à festa, Marconi iria ligar as luzes do Cristo direto de seu iate no Mediterrâneo. Mas na hora agá, a aparelhagem falhou e o Cristo acabou iluminado mesmo foi por Corção, que àquela época nem convertido era ainda. Suboficial do Exército e técnico em eletrônica- que naquela época, devia ser tecnologia de ponta! –  ele deu um jeito de salvar a festa e a reputação de Marconi. Que Deus tenha depois retribuído a luz que Corção improvisadamente Lhe emprestara é dessas ironias que nos fazem acreditar na Providência.

A loucura tem nome

Hieronymus Bosch

Generofolia: o neologismo usado por Francesca Villasmundo em um artigo para o Medias-Presse dá nome a uma doença espiritual que se espalhou pelo mundo como uma epidemia e não cessa de produzir catástrofes.

A mais nova bem poderia atender por outro neologismo: transbatismo.

A Igreja Anglicana atualmente liderada pelo primaz da Igreja da Inglaterra, o arcebispo de Canterbury Justin Welby, adepto do diálogo ecumênico como o Papa Francisco, tem tomado decisões controversas como admitir o “casamento” de pessoas do mesmo sexo, os padres homossexuais e a ideologia do gênero.

A mais recente inovação decidida pela Conferência dos Bispos da Igreja da Inglaterra é a invenção de um “batismo para transexuais ou transgêneros”. A cerimônia chamada “afirmação da fé batismal”, caricaturada do batismo tradicional, é reservada aos que mudaram de sexo. A “ideia” é que recebam uma benção em sua nova vida e um novo nome de batismo. Água e óleo consagrados serão usados e um novo certificado de batismo será emitido.

Em nota oficial, a Conferência dos Bispos afirmou: “A nova cerimônia não pretende imitar a solenidade do sacramento tradicional. Ele consiste de uma renovação formal do promessas batismais e consentimento para aqueles que estão tentando realizar uma transição de gênero de obter a comunidade eclesial, por intercessão de Nossa Senhor Jesus Cristo, uma bênção solene para sua mutação de identidade. “

Como escreve Francesca Villasmundo, autora da matéria publicada no Medias-Presse:
 “É como ler o Papa Francisco: as mesmas palavras, a mesma motivação de acolher a todos, mesmo ao preço da perda do bom senso e da ofensa à natureza humana, criação divina que esses “generófilos” esqueceram.”

E conclui, “não impressiona que essa fantasia progressista surja no seio da heresia anglicana, esse ultra-liberalismo religioso, agente do individualismo ele mesmo precursor da recusa ideológica de toda determinação natural. Não se pode também deixar de constatar a nocividade intrínseca do ecumenismo conciliar que, pelo diálogo interreligioso, dá seu aval a essa igreja.”

A clareza da fé

Esperamos do Papa Francisco aquilo que todo católico pede à Igreja no seu batismo: a fé.

O padre Davide Pagliarani, Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, concedeu um entrevista exclusiva ao jornal austríaco Salzburger Nachrichten, publicado neste sábado, 15 de dezembro de 2018.

A tradução desta entrevista – de uma clareza e objetividade genuinamente esclarecedoras – está no no site da Permanência.