Morte por encomenda

O Triunfo da Morte – Pieter Bruegel, o Velho

Certa vez, quando jogava no PSV Eindhoven, Romário respondeu a um jornalista que lhe perguntava sobre seus atrasos e faltas aos treinos nos dias seguintes aos jogos:
– Mas, Romário, todo mundo treina…
– Eu não sou “iedereen” (todo mundo)!

A Holanda tampouco é iedereen. Mas ao contrário do goleador, não por ser o “melhor do time”, mas por ser o “pior” entre os ‘civilizados’, ultrapassando a Bélgica. De fato, esses países nunca foram tão baixos, o pior exemplo de vanguarda legal e estupidez assassina do mundo ocidental.

Conhecida pelo macabro pioneirismo de ser a primeira a legalizar tudo o que antes era crime, o país das tulipas e dos moinhos também figura na pole position quando o assunto é eutanásia.

A lei foi aprovada em 2001, e entrou em vigor em primeiro de abril do ano seguinte – nosso dia da mentira – tornando legais o assassinato de um “doente terminal” para “aliviar” seu sofrimento, e o suicídio assistido pelo médico, uma espécie de salvo-conduto para tirar a própria vida por razões de doença, endossadas pelo profissional que deveria se preocupar em salvar a sua vida, ou pelo menos tentar.

Desde que foi implementada a lei, os números dos pedidos e das mortes causadas com o seu aval só aumentaram. Em 2016, subiram para 6091 casos, 10% a mais que 2015, e correspondiam a 4% do total de mortes, sendo a quinta ou sexta na lista das causas de morte. Vale notar que as estatísticas são provavelmente escamoteadas, pois as mortes por eutanásia parecem se diluir nos números das outras doenças letais, como câncer e doenças pulmonares, mas deveriam ser contadas a parte.

A loucura não pára por aí. Os casos de pacientes com problemas psiquiátricos que buscam “suicídio legal” para ‘tratar’ seus quadros depressivos vêm aumentando. A morte de um alcoólatra de 41 anos foi autorizada assim como o caso exemplar de Aurelia Brouwers de 29 anos, cuja morte completa 1 ano hoje, e foi antecedida por uma ‘batalha’ pelo direito prático ao suicídio.

A injustiça prolifera quando as leis da natureza são revogadas. A evolução esperada do direito a uma “morte misericordiosa” para aqueles doentes terminais, passou para “um fim digno” para “aquelas vidas que não valem a pena serem vividas”. Incapazes e deficientes passaram a ser vítimas e clientes desse ‘Big Brother’ holandês, que também atende pelo nome de Sociedade Holandesa pelo Direito de Morrer (NVVE).

Em 2015, os sites lifenews.com e lifesitenews.com reportaram que em 2013 médicos holandeses mataram ‘legalmente’ 650 bebês por suicídio assistido, com autorização dos respectivos responsáveis, alegando que seus sofrimentos eram muito difíceis de suportar. Os números alarmantes são questionáveis pelas sociedades médicas do país, mas também há razões para suspeitar que essas mortes não sejam computadas em estatísticas oficiais.

A aplicação da lei varia entre o caso de nonagenários que decidem “partir” juntos após uma longa vida casados até o de uma mãe de 47 anos que sofria de zumbido, deixando dois filhos.

O terror também começou a fazer parte da rotina dos idosos holandeses que buscam viver e morrer naturalmente. Em novembro passado, foi noticiado o caso de uma senhora com demência, cuja médica a drogou furtivamente e pediu aos familiares que a segurassem para lhe administrar uma injeção letal. O caso se tornou célebre por que esta foi a primeira vez que um médico foi indiciado por “ultrapassar a linha” dessa lei perversa.

Os casos de eutanásia por demência vêm aumentando, e já há propostas no parlamento para tornar a eutanásia “uma escolha” a partir dos 75, ou mesmo 70 anos de idade. Com medo dos próprios familiares e médicos, os cidadãos da terceira idade e demais vulneráveis passaram a portar um cartão onde está escrito que não querem morrer por eutanásia.

Não bastassem a prostituição, a maconha livre, o aborto, as uniões “gays” e a imigração islâmica, a Holanda ainda promove o “direito” a morte de seus cidadãos com um zelo espantoso.


Fontes:

  • https://www.youtube.com/watch?v=Jrv4luZvbJo
  • https://www.dutchnews.nl/news/2017/04/number-of-official-cases-of-euthanasia-rise-10-in-the-netherlands/
  • https://www.iamexpat.nl/expat-info/dutch-expat-news/leading-cause-death-netherlands-cancer
  • https://www.bbc.com/news/stories-45117163
  • https://www.lifenews.com/2015/01/02/doctors-euthanize-650-babies-under-assisted-suicide-law-in-the-netherlands/
  • https://www.theguardian.com/society/2004/dec/21/health.medicineandhealthhttps://www.apnews.com/15805d9d1d4345dab2a657f26697a775
  • https://www.telegraph.co.uk/news/health/news/8466996/Fearful-elderly-people-carry-anti-euthanasia-cards.html
  • https://www.cbc-network.org/2012/02/dutch-reporters-miss-stories-on-do-not-euthanize-me-cards/